“Lágrimas fracas, dores mínimas, chuvas outonais”: a poética da melancolia em três escritoras lusófonas

Autores

  • Juan Filipe Stacul Instituto Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v0i11.148

Palavras-chave:

Melancolia, Enunciação, Literatura comparada

Resumo

No presente trabalho, pretende-se realizar uma investigação acerca das relações entre melancolia, enunciação e literatura, especificamente, em três grandes nomes da poesia contemporânea em língua portuguesa: Noémia de Sousa (Moçambique), Florbela Espanca (Portugal) e Ana Cristina Cesar (Brasil). Para tanto, foram selecionados textos em que se verifica a recorrência da dicção melancólica como traço constituinte da lírica de cada uma das poetisas. Pretende-se, com tal análise, verificar que a constituição de uma poética da melancolia nessas autoras, resguardados os devidos panoramas histórico-culturais, instaura-se no limiar entre os questionamentos existenciais do indivíduo e a crítica aos modelos institucionais e às questões políticas e sociais vigentes, estabelecendo um processo que reverbera uma melancolia coletiva na voz do eu-lírico.

Referências

BENJAMIN, W. Obras escolhidas. Volume III. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.
BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral I. 3 ed. São Paulo: Pontes, 1991.
CESAR, A. C. Carta de Paris. Disponível em: http://www.releituras.com/anacesar_menu.asp. Acesso: 24/02/2014.
ESPANCA, F. Este Livro. Disponível em: http://www.citi.pt/cultura/literatura/poesia/florbela_espanca/este_livro.html. Acesso: 24/02/2014.
GOULART, A. T. Tópicos de Literatura Portuguesa: o concurso dos sujeitos no nascimento e no desenvolvimento da literatura portuguesa. Belo Horizonte: PUC-MG, 2012.
HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1994.
KRISTEVA, J. Sol negro: depressão e melancolia. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.
JACQUES, P. B. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.
LEJEUNE, P. Definir autobiografia. In MOURÃO, P. (org.). Autobiografia. Auto-representação. Lisboa: Edições Colibri, 2003.
MORELATO, A. K. S. Entre o passageiro e o eterno: representações da solidão e da melancolia na poesia feminina brasileira. Disponível em: www.cnpq.br/documents/.../6f2780de-463b-4616-94e1-33d2ae353253 ?. Acesso: 21/10/2013.
PORTO, L. T. Um olhar melancólico: o conto de Caio Fernando Abreu. Disponível em: http://w3.ufsm.br/grpesqla/revista/num6/index01.html. Acesso: 20/10/2013.
SALGUEIRO, W. C. F. Fratura, resistência, paródia: história e estética em três poetas no Brasil Ditatorial. Disponível em: http://w3.ufsm.br/grpesqla/revista/num6/ass03/pag01.html. Acesso: 21/10/2013.
SCLIAR, M. A melancolia na literatura. Cad. Bras. Saúde Mental, Vol. 1, no1, jan.-abr. 2009 (CD-ROM)
SOUSA, N. Deixa passar o meu povo. In: Sangue Negro. Maputo: Associação dos Escritores Moçambicanos, 2001. p. 57-59.

Downloads

Publicado

2018-11-13

Como Citar

Stacul, J. F. (2018). “Lágrimas fracas, dores mínimas, chuvas outonais”: a poética da melancolia em três escritoras lusófonas. Jangada: Crítica | Literatura | Artes, (11), 156–175. https://doi.org/10.35921/jangada.v0i11.148