O 'Ensaio sobre a cegueira' e a interdição ao sabor: literatura, cinema e práticas discursivas de sujeição

LITERATURA, CINEMA E PRÁTICAS DISCURSIVAS DE SUJEIÇÃO

Autores

  • Ederson Luís Silveira Universidade Federal de Santa Catarina
  • Rodrigo de Freitas Faqueri, RFF Universidade Presbiteriana Mackenzie

DOI:

https://doi.org/10.35921/jangada.v0i11.139

Palavras-chave:

Alimentação, José Saramago, Cinema, Literatura

Resumo

O presente artigo apresentará pronunciamentos enunciativos de compreensão de excertos extraídos do romance Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago e do filme de mesmo nome, dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles. Trata-se, portanto, de uma pesquisa qualitativa de viés exploratório e de cunho bibliográfico cujas análises serão empreendidas a partir das contribuições de Michel Foucault, Jean-Louis Flandrin e Massimo Montanari, Lévi-Strauss, Linda Hutcheon, Roland Barthes e Henrique Carneiro. Consideramos que a comida é também fonte de expressão e não apenas uma necessidade. Tanto quanto a necessidade de alimentar-nos nos expressamos através de hábitos alimentares, ritos e forma,  (diversas) de reagir à ausência de alimentos. Nas obras ficcionais, a interdição dos alimentos é discursiva e remete ao terreno das práticas em que alguns são proibidos e outros são os que decidem, negligenciando-se princípios éticos para coisificar mulheres como moeda de troca aproximando as relações humanas de um viés utilitarista. Aos interditados, resta a negação ao direito de escolha e o afastamento de dimensões emancipatórias no que diz respeito a escolhas relacionadas ao ato de alimentar-se. Concluímos, neste contexto, que as relações de poder atravessam práticas individuais e coletivas interagindo com dimensões subjetivas dos indivíduos que resultam em formas de sujeição.

Biografia do Autor

Ederson Luís Silveira, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando e Mestre em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC; pós-graduando em Ontologia e Epistemologia; Membro do Grupo de Estudos Formação de Professores de Línguas e Literatura - FORPROLL/CNPq

Rodrigo de Freitas Faqueri, RFF, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Doutorando em Letras com ênfase em Literatura Guatemalteca pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Participou do PDSE ofertado pela CAPES na Universidad Nacional de Costa Rica. Mestre em Letras também pela Universidade Presbiteriana Mackenzie com ênfase as Literaturas Brasileira e Argentina, tendo como temas principais os estudos em Mito, Reatualização Mítica, Dialogismo e Hipertextualidade (2013). Graduado em Licenciatura em Letras Habilitação Pot./Esp. pela mesma instituição em 2008. Atualmente é professor EBTT do IFSP - Campus Itaquaquecetuba. Possui experiência em estudos da área de Letras, com ênfase em Línguas Portuguesa e Espanhola e suas respectivas literaturas assim como em Estudos Culturais. 

Referências

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Lisboa: Edições 70, 1988.
BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo: séculos XV-XVIII. Tradução de Telma Costa. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
BUTLER, Judith. O parentesco é sempre tido como heterossexual? Cadernos Pagu. Campinas, n. 21, p. 219-260, 2003.
CARNEIRO, Henrique. Comida e sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Campus, 2003.
COURTINE, Jean Jaques. Os stakhanovistas do narcisismo. In: SANT'ANNA, Denise Bernuzzi de. (org.) Políticas do corpo: elementos para uma história das práticas corporais. São Paulo: Estação Liberdade, 1995.
ENSAIO sobre a cegueira (Blindness). Direção de Fernando Meirelles. São Paulo: O2 Filmes, 2008. DVD, 121 min., color.
FLANDRIN, Jean-Louis; MONTANARI, Massimo. História da Alimentação. Tradução de
Luciano Vieira Machado, Guilherme J. F. Teixeira. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.
FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.
HENRIQUES, Isabela. Mascarpone: o que é e como fazer em casa. PORTAL TERRA, 13 de março de 2018. Disponível em: https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/culinaria/tudogostoso/mascarpone-o-que-e-e-como-fazer-em-casa,244e3a2f0e7bed5355729dafa5c4a899c0vbthcv.html Acessado em 03 de junho de 2018.
HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Tradução de André Cechinel. Florianópolis: Editora da UFSC, 2011.
LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. (orgs.). Faire de l´histoire: nouveaux problèmes. Paris: Gallimard, 1974.
LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. (orgs.). Faire de l'histoire: nouvelles approaches. Paris: Gallimard, 1974.
LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. (orgs.). Faire de l'histoire: nouveaux objets. Paris: Gallimard, 1974.
LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. (orgs.). História, novos problemas. Tradução de Henrique Mesquita. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.
LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. (orgs.). História, novas abordagens. Tradução de Henrique Mesquita. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.
LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. (orgs.). História, novos objetos. Tradução de Henrique Mesquita. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.
LEVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares do parentesco. São Paulo: Vozes, 1976.
LEVI-STRAUSS, Claude. Introduction à l’œuvre de Marcel Mauss. In: MAUSS, M. Sociologie et Anthropologie. 7. ed. Paris: PUF, 1977.
MEDEIROS, Symonne de Albuquerque. Introdução à Gastronomia. Recife: Secretaria de Educação e Esportes do Estado de Pernambuco, 2014.
PITTE, Jean-Robert. Gastronomie Française: histoire et geographie d’une passion. Paris: Fayard, 1991.
PITTE, Jean-Robert. Gastronomia Francesa: História e Geografia de Uma Paixão. Porto Alegre: L&PM, 1993.
SABOURIN, Eric. Teoria da Reciprocidade e sócio-antropologia do desenvolvimento. Sociologias. Porto Alegre, v. 13, n. 27, p. 24-51, mai./ago. 2011.
SANTOS, Carlos Roberto Antunes dos. A alimentação e seu lugar na história: os tempos da memória gustativa. História: Questões & Debates. Curitiba, n. 42, p. 11-31, 2005.
SARAMAGO, José. Ensaio sobre a cegueira. 44. Reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2008 [1995].
SILVEIRA, Éderson Luís. A dissolução da identidade em corpos complexos: Para além do binarismo masculino/feminino. Temporalidades. Belo Horizonte, v. 7, p. 148-175, 2015.
SILVEIRA, Éderson Luís. Corpos silenciados em busca de identidade: Espelhos que refletem a falta. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP. Macapá, v. 5, p. 29-40, 2012.
SILVEIRA, Ederson Luís. Édipo (não é) rei: Foucault, Butler e o sexo em discurso. 2016. 116 p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis, 2016.
SILVEIRA, Éderson Luís. Pensar com Foucault: história, sujeito e discurso. Cadernos discursivos. Catalão, v. 1 n. 1, p. 38 - 50, 2014.
SILVEIRA, Éderson Luís; SILVA, Francisco Vieira da. O corpo em (des)ordem: entre a falta e o absurdo. Entrelinhas. São Leopoldo, v. 8, p. 131-144, 2014.
SILVEIRA, Éderson Luís; AGUIAR, Gean Pablo Silva; COSTA, Leonard Christy Souza. Alimentos (in) disciplinados: a beleza que (não) se põe na mesa. Caminhos em linguística aplicada. Taubaté, v. 17, p. 484-508, 2017.
SILVEIRA, Éderson Luís. Você não está sozinha: vulnerabilidade, ações protetivas e (tentativas de) interdição do abuso sexual nos transportes públicos. Interletras. Dourados, v. 07, p. 1597-1807, 2018.
SPANG, Rebecca L. A invenção do restaurante: Paris e a moderna cultura gastronômica. Tradução de Cynthia Cortes e Paulo Soares. Rio de Janeiro: Record, 2003.
SPANG, Rebecca L. The Invention of the Restaurant: Paris and Modern Gastronomic Culture. Cambridge: Harvard University Press, 2000.
SEIXO, Maria Alzira. Os sabores da literatura ou como a gastronomia se apoia nos modos de dizer. ABRIL – Revista do Núcleo de Estudos de Literatura Portuguesa e Africana da UFF. Niterói, v. 6, n. 12, abril de 2014.

Downloads

Publicado

2018-11-13

Como Citar

Silveira, E. L., & Faqueri, R. de F. (2018). O ’Ensaio sobre a cegueira’ e a interdição ao sabor: literatura, cinema e práticas discursivas de sujeição: LITERATURA, CINEMA E PRÁTICAS DISCURSIVAS DE SUJEIÇÃO. Jangada: Crítica | Literatura | Artes, (11), 58–80. https://doi.org/10.35921/jangada.v0i11.139

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)