A literatura como resistência política: traços neorrealistas na produção literária do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)

  • Carolina Alves Pereira
Palavras-chave: Literatura e resistência, Neorrealismo, Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)

Resumo

Este trabalho busca analisar as relações existentes entre as produções literárias do inicio do século XX, com o surgimento da corrente neo-realista, e a literatura produzida pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), como manifestação de resistência à cultura elitista, no que tange ao espaço das criações artísticas. Para tanto, discute-se a característica do neo-realismo como expressão literária definidora dos aspectos sociais e políticos representados nas obras da época. Analisa-se, também, o conceito de resistência como determinante para a definição da literatura marginalizada do movimento campesino (MAB). Por fim, a seguinte pesquisa ratifica a importância da literatura e das artes produzida para além das universidades e dos cânones habituais.

Palavras-chave: Literatura de resistência, Neorrealismo, Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

_________________________

This paper analyzes the relationship between the literary productions of the early twentieth century, with the rise of neo-realist current, and the literature produced by the Brazilian social group called Movimento do Atingidos por Barragens (MAB) as a manifestation of resistance to elitist culture in terms the space of artistic creations. To this aim, I discuss the characteristic of neorealism as the defining literary expression of social and political represented in the works of the time aspects. In addition, I analyze the concept of resistance as a determinant for defining the literature of marginalized campesino movement (MAB). Finally, the following research confirms the importance of literature and the arts produced in excess of the usual canons and universities.

Keywords: Literature of Resistance, Neorealism, Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. The coming community. Transl. by Michael Hardt. Minneapolis/ London: University of Minnesota Press, 1993.
BROOK, Peter. The shifting point: forty years of theatrical exploration, 1946-1987. London: Methuen, 1988.
COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1996.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
HUTCHEON, Linda. A theory of adaptation. London & New York: Routledge, 2006.
KIDNIE, Margaret. Shakespeare and the problem of adaptation. New York: Routledge, 2009.
KRISTEVA, Julia. “The bounded text”. In.: Desire in language: a semiotic approach to literature and art. Trans. Thomas Gora, Alice Jardine, and Leon S. Roudiez (ed.). Oxford: Blackwell, 1980.
MASSAI, Sonia. Defining local Shakespeares. In: _____. (Ed.) World-wide Shakespeares: local appropriations in film and performances. London and New York: Routledge, 2005. .pp. 3-12.
RICH, Adrienne. When we dead awaken: writing as re-vision. In: ____. On lies, secrets, and silence. New York: Norton, 1979. pp. 33-49.
SANDERS, Julie. Adaptation and appropriation. London & New York: Routledge, 2006.
SANTOS JR., Antonio Veríssimo. Shakespeare e a Reinvenção da Escola ou a Escola e a Reinvenção de Shakespeare. 2004. 130f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.
Publicado
2018-04-03
Seção
Artigos