A relação da literatura de cordel na antroponímia dos fantoches populares portugueses

  • José Luís de Oliveira
Palavras-chave: Teatro de bonecos, Literatura de cordel, Folhetos volantes

Resumo

RESUMO: O mundo do teatro de bonecos em Portugal está envolto numa bruma, devido, em parte, a algum desinteresse da classe teatreira, mas principalmente, à escassa documentação sobre esta arte ancestral. O teatro de marionetas popular era pouco palavroso, em oposição ao teatro de atores de carne e osso, onde o verbo era fundamental. O repertório de texto diminuto, transmitido por via oral, levou à perda substancial de um entretenimento que fez os encantos de miúdos e graúdos ao longo dos séculos. Uma das lacunas é a génese dos próprios apodos pelos quais os bonifrates eram conhecidos. Atualmente encontra-se vulgarizado o cognome Dom Roberto (conhecido até 1962 por robertos) para designar os bonecos de luva populares portugueses. Este evoluiu a partir do drama de cordel adaptado da lenda medieval Roberto do diabo e que fez parte do repertório do teatro de bonecos populares portugueses.

PALAVRAS-CHAVE: Teatro de bonecos, literatura de cordel, folhetos volantes.

________________________

ABSTRACT: The world of puppet theater in Portugal is shrouded in mist, partly due to some disinterest in theater professionals, but mainly due to the scarce documentation about this ancestral art. The popular puppet theater was of few text, as opposed to the actors theater, where the verb was fundamental. The diminutive repertoire of orally transmitted text has led to the substantial loss of entertainment that has made the charms of kids and adults over the centuries. One of the gaps is the genesis of the nicknames for which puppets were known. At the moment the name Dom Roberto (known until 1962 by robertos) is popularized to designate the Portuguese glove popular puppets. This evolved from the chapbook drama adapted from the medieval legend Robert the devil and that was part of the repertoire of Portuguese popular puppet theatre.

 KEYWORDS: Puppet theater, chapbooks.

 

 

Referências

BAROJA, Julio Caro. Ensayo sobre la literatura de cordel. Madrid: ISTMO, 1990.
BASTOS, Sousa. Carteira do Artista. Lisboa: José Bastos Editor, 1898.
CARVALHO, Jeronymo Moreira de. Historia do Grande Roberto, Duque de Normandia, e Imperador de Roma. Em que se trata da sua concepção, e nascimento, e de sua depravada vida, por onde mereceo ser chamado Roberto do diabo, e do seu grande arrependimento, e prodigiosa penitencia, por onde mereceo ser chamado Roberto de Deos, e prodigios, que por mandado de Deos obrou em batalha. Lisboa: Na Officina de Francisco Borges de Sousa. Com licença da Real Meza Censoria, 1799.
CORREIA, António Mendes et al. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Vol. XIII. Lisboa; Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia, 1981.
COSTA, J. Almeida; MELO, A. Sampaio e. Dicionário da Língua Portuguesa. Porto: Porto Editora, 2005.
ESTEVES, Francisco. É absolutamente necessário cultivar nas crianças o gosto pelo teatro. Jornal de Letras e Artes, Lisboa, p. 16, 11 de nov. 1964.
FONSECA, João Corregedor da. Teatro de Fantoches – Teatro de Rua: Uma tradição que se perde. O Século Ilustrado, Lisboa, p. 17, 23 abr. 1966.
FONSECA, João Corregedor da. Teatro de Fantoches – Teatro de Rua: Uma tradição que se perde. O Século Ilustrado, Lisboa, p. 17, 23 abr. 1966.
GAUCHER, Élisabeth. La vie du terrible Robert le dyable – Un exemple de mise en prose (1496). Le choix de la prose (XIIIe-XVe siècles). Cahiers de Recherches Médiévales, Paris, 1998.
GEFAC – Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra. Teatro Popular Mirandês – Textos de Cariz Profano. Coimbra: Almedina, 2003.

MACHADO, José Pedro. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Vol. V. Lisboa: Livros Horizonte, 1995.
MACHADO, José Pedro. Grande Dicionário da língua Portuguesa.Vol. V. Lisboa: Publicações ALFA, 1991.
PICCHIO, Luciana Stegagno. História do Teatro Português. Lisboa: Portugália Editora, 1964.
SARAIVA, António José. História da Cultura em Portugal. Vol. I. Lisboa: Jornal do Fôro, 1950.
SEQUEIRA, Gustavo de Matos. Teatro de Outros Tempos: elementos para a História do Teatro Português. Lisboa: [s.n.], 1933.
SOARES, Maria Fernanda Martins; FERREIRA, Vítor Wladimiro. Grande Dicionário Enciclopédico Ediclube.Vol. XVI. Madrid: Ediclube, 1996.
VAREY, John Earl. Historia de los Títeres en España (Desde sus orígenes hasta mediados del siglo XVIII). Madrid: Revista de Occidente, 1957.
Publicado
2018-04-07